ACESSO À INFORMAÇÃO

Notícias

postado em 29/11/2018 em SAÚDESaúde

Valparaíso de Goiás promove Dezembro Vermelho: mês de conscientização e combate à AIDS/HIV

A ação denominada ‘Dezembro Vermelho’ tem como meta conscientizar a população valparaisense para as medidas de prevenção, assistência, proteção e promoção dos direitos humanos das pessoas que vivem com AIDS/HIV.

No mês de dezembro o Governo Municipal de Valparaíso de Goiás, por meio de sua Secretaria Municipal de Saúde, abraçará a mobilização nacional de prevenção à AIDS/HIV.  No início da semana, o Ministério da Saúde (MS), lançou um nova campanha lembrando os 30 anos do Dia Mundial de Luta Contra a AIDS. A data é celebrada anualmente no dia 1º de dezembro. 

 

A ação denominada ‘Dezembro Vermelho’ tem como meta conscientizar a população valparaisense para as medidas de prevenção, assistência, proteção e promoção dos direitos humanos das pessoas que vivem com AIDS/HIV.

 

 

Além disso, durante o mês de dezembro, o município de Valparaíso contará com uma programação especial que será desenvolvida em parceria pelo Vigilância em Saúde e o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA). As ações também contam com o apoio do Shopping Sul.

 

Confira abaixo a agenda de eventos:

 

Ação de testagem rápida para HIV, Sífilis, Hepatites B e C, no Shopping Sul, nos dias 03 e 04 de dezembro de 2018, de 10:00hs a 17:00hs;

 

Abertura: Dia 03/12/2018 as 10:00 no Shopping Sul, com a participação de Baby Brasil (Presidente do Instituto Amizade DF/GO).

 

Saiba mais sobre o Dezembro Vermelho

 

A Lei 13.504 instituiu a Campanha Nacional de Prevenção ao HIV/Aids e outras infecções sexualmente transmissíveis (Dezembro Vermelho). Ela iniciada no dia primeiro de dezembro com uma data simbólica de mobilização que busca divulgar mensagens de solidariedade, prevenção e incentivo ao combate à doença.

 

O que é a AIDS?

 

A Aids (abreviação de Acquired Immune Deficiency Syndrome) é o estágio mais avançado da doença que ataca o sistema imunológico, conhecida também por “Síndrome da Imunodeficiência Adquirida”, causada pelo HIV. Este vírus ataca as células de defesa do corpo humano, deixando o organismo mais vulnerável para doenças e infecções.

 

Exames

 

No Brasil, o Ministério da Saúde oferece gratuitamente exames para detectar a resposta do organismo ao vírus do HIV. Podem ser feitos em Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) e em alguns hospitais. Primeiro é efetuado um teste ELISA. Caso o resultado seja positivo ou haja dúvidas, é feito o Western-blot, um exame mais eficaz na detecção. É importante lembrar que, como ambos os exames detectam a resposta imunológica ao vírus, é necessário esperar de 30 a 90 dias depois do contágio para o exame ser mais preciso.

 

Formas de contágios

 

Como o HIV, vírus causador da Aids, está presente no sangue, sêmen, secreção vaginal e leite materno, a doença pode ser transmitida de várias formas:

 

Sexo sem camisinha por vias vaginal, anal ou oral;

 

De mãe infectada para o filho durante a gestação, o parto ou a amamentação;

 

Uso da mesma seringa ou agulha contaminada por mais de uma pessoa;

 

Transfusão de sangue contaminado com o HIV;

 

Instrumentos que furam ou cortam, não esterilizados.

 

Sintomas

 

Os primeiros sintomas da doença podem ser tão leves que frequentemente são confundidos com um mal-estar passageiro. Mesmo quando se manifestam com mais intensidade, podem ser interpretados como os sintomas de uma virose. Por isso é importante fazer o teste que permite a verificação da infecção. Os sintomas mais comuns são: febre constante, manchas na pele, calafrios, diarreia constante e perda de peso.

 

Formas de proteção

 

Evitar a doença não é difícil. Basta usar camisinha em todas as relações sexuais e não compartilhar seringa, agulha e outro objeto cortante com outras pessoas. O preservativo está disponível na rede pública de saúde.

 

A camisinha é o método mais eficaz para se prevenir contra muitas doenças sexualmente transmissíveis, como a aids, alguns tipos de hepatites e a sífilis, por exemplo. Além disso, evita uma gravidez não planejada. Por isso, use camisinha sempre.

 

Porém, o preservativo não deve ser uma opção somente para quem não se infectou com o HIV. Além de evitar a transmissão de outras doenças, que podem prejudicar ainda mais o sistema imunológico, ele previne contra a reinfecção pelo vírus causador da aids, o que pode agravar ainda mais a saúde da pessoa.

 

Guardar e manusear a camisinha é muito fácil. E atenção: nunca use duas camisinhas ao mesmo tempo. Aí sim, ela pode se romper ou estourar.

 

Redução da AIDS no Brasil

 

Segundo dados do novo Boletim Epidemiológico, em quatro anos, a taxa de mortalidade por AIDS passou de 5,7 por 100 mil habitantes em 2014 para 4,8 óbitos em 2017.

 

De acordo com o Ministério da Saúde, a garantia do tratamento para todos, lançada em 2013, e a melhoria do diagnóstico contribuíram para a queda, além da ampliação do acesso à testagem e redução do tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento.

 

Os novos números da epidemia revelam que, de 1980 a junho de 2018, foram identificados 926.742 casos de AIDS no Brasil, um registro anual de 40 mil novos casos.

 

Assessoria de Comunicação da Prefeitura Municipal de Valparaíso de Goiás 

 

COMPARTILHAR ESSA NOTÍCIA