Dívida Ativa e Cejusc realizam trabalho conjunto em Valparaíso .:. Prefeitura Municipal de Valparaíso de Goiás

Finanças
Dívida Ativa e Cejusc realizam trabalho conjunto
em Valparaíso

Dívida Ativa e Cejusc realizam trabalho conjunto em Valparaíso

A aproximação com o Poder Judiciário vem rendendo bons frutos e despertou o interesse do município de Cidade Ocidental
Publicado em 30/03/2017 às 13:15

Na quinta-feira, dia 30 março, a sala municipal de Dívida Ativa instalada no Fórum de Valparaíso de Goiás, recebeu a visita do Exmo. Juiz de Direito André Rodrigues Nacagami, diretor do Fórum de Cidade Ocidental, e de uma comitiva de autoridades da mesma cidade.

 

O Juiz Nacagami e os representantes da cidade vizinha foram recebidos pelo também Exmo. Juiz José Augusto de Melo,  diretor do Fórum de Valparaíso, acompanhado de servidores do Governo Municipal.

 

O objetivo da visitação foi conhecer o funcionamento da Divisão que é considerada um modelo na região Metropolitana do Distrito Federal e que está sob a responsabilidade da Secretaria Municipal de Finanças, chefiada pelo secretário Milton dos Reis Pinto.

 

Em Valparaíso de Goiás, o setor de Dívida Ativa trabalha em parceria com o Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania – CEJUSC, realizando suas atividades dentro das dependências do Fórum da cidade.

 

Segundo Cleonice Alves, diretora da Divisão de Tributos, a aproximação com o Poder Judiciário vem rendendo bons frutos e despertou o interesse do município de Cidade Ocidental.

 

“O Fórum firmou uma parceria com a Dívida Ativa e ajuda na realização de cobranças.  Hoje ficamos mais perto do Juiz e dos ajuizamentos. Em razão disso, este modelo tem dado certo e despertado o interesse de outras cidades”, disse Cleonice.

 

O Centro Judiciário realiza um trabalho pré-processual e, a Dívida Ativa, a cobrança dos passivos da Prefeitura de Valparaíso.  Desta maneira, a ação desenvolvida em conjunto evita que cobranças passem pela execução fiscal, livrando do abalroamento pré-processual e judicial. Antes do ajuizamento, os casos são remetidos ao CEJUSC na tentativa de se fazer uma conciliação com os contribuintes devedores, tudo dentro dos limites da Lei do Município.

 

 

Texto: Marcelo Carlos

Fotos: Marcelo Scarabelli